terça-feira, 2 de março de 2010

Página em branco




E eis que tudo termina antes de começar,
A página é virada, limpa, casta...
E outra ocupa o seu lugar.

Tudo acontecera tão rápido
Que não houve tempo para registrar.
Palavras soltas, livres, fugidias,
Que não quiseram se fixar.

Foram autônomas o suficiente
Para não se permitirem aprisionar.
Assim não há vestígios,
Nada que se possa comprovar.

Fica o dito pelo não dito...
Esquecido, antes que seja tarde
Para renunciar!

E a vida segue seu curso normal,
Sua trivialidade bestial...
Até que o barco fique à deriva
Numa tempestade previsível em alto- mar.

Naufragar ou se salvar...
Será impossível pré-determinar.
Tudo dependerá da força do vento
E do desejo intenso de continuar.

Um comentário:

  1. Nossa, esse é excelente. Me lembra um momento em minha vida, tão bom e que passou tão rapido rs

    ResponderExcluir