domingo, 20 de fevereiro de 2011

O Retorno do Patinho Feio

Sempre considerei o conto O Patinho Feio extremamente preconceituoso. A narrativa infantil de Andersen, ao ser contextualizada nos remete à não-aceitação do diferente e a um conceito de beleza vigente, que reforça paradigmas impostos por uma sociedade que prega a uniformização estética e comportamental.

Patinhos feios são todos que não se enquadram nos padrões pré-estabelecidos pela indústria midiática e comercial. É a moça de seios naturais, corpo acima do peso ( idealizado), que não foi contaminada pela síndrome da barbie ou pela febre das mulheres frutas. Seu rosto tem espinhas, mas seu sorriso é natural e suas ideias são originais. É pato e não cisne, o garoto meio desengonçado, cujos pés não carregam um par de tênis de marca e o bolso do seu jeans surrado não comporta um celular de última geração.  Patos e cisnes habitam territórios demarcados, "cada qual no seu quadrado".

Recentemente li uma outra versão da estória do Patinho Feio, não menos separatista do que a original. Trata-se de O Retorno do Patinho Feio. Ao ler o título, pensei: dessa vez o cisne será aceito pela familia de patos e suas diferenças serão reforçadas positivamente e não de forma pejorativa. Que nada! Mais uma vez, o cisne é rejeitado pelos patos neo-nazistas. Essa segunda rejeição é tão danosa que ele, ao se apaixonar por uma patinha desespera-se com a negativa perante sua investida amorosa e resolve recorrer aos poderes de um pato bruxo, pedindo-o que o transforme definitivamente em PATO.

Era uma vez... O mais belo cisne, príncipe do lago de Astúrias que, depois de ter sua autoestima devastada, se despersonaliza,  nega a si mesmo, assumindo outra identidade. Só assim, ele consegue "ser feliz para sempre"...

4 comentários:

  1. Feliz com o seu retorno May!! Senti sua falta !!!

    ResponderExcluir
  2. Voltei à ativa, amiga!!rsrsXô, preguiça!!

    ResponderExcluir
  3. X^X^ xô XÔ ! *rsssss.s.. você é demais !

    ResponderExcluir
  4. Ai ó, o patinho feio é um idiota, eu odeio ele,o cara foi zoado, nunca fez nada, nem se rebelou, ai um dio o destino fez ele ficar bonito, a pelamordedeus, ele ficava a vida é triste, eu sou feio, blablabla, meu irmão, parte pra cima "Mas ele são seis", tu vai apanhar pra caral**, mas pega o mais fraco e mata de porrada, tu é um cisne, maio que um pato, arregaça eles, essa historia é do cara q era o fodi** da turma e ganhou na loteria, eu odeio ela e odeio o destino.

    ResponderExcluir