sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Sobre morangos

Rubem Alves conta que certa vez um homem ia feliz pela floresta quando, de repente, ouviu o urro terrível de um leão. Ele teve muito medo e começou a correr. O medo era muito, a floresta era fechada. Ele não viu por onde ia e caiu num precipício. No desespero agarrou-se a uma raiz de árvore, que saía da terra. Ali ficou, dependurado sobre o abismo. De repente olhou para a sua frente: na parede do precipício crescia um pezinho de morangos. Havia nele um moranguinho, gordo e vermelho, bem ao alcance da sua mão. Fascinado por aquele convite, para aquele momento, ele colheu carinhosamente o moranguinho, esquecido de tudo o mais. E o comeu. Estava delicioso!

Ao ouvir essa história, você poderá se perguntar se o homem caiu ou não caiu no abismo. Em resposta a essa pergunta, Rubem Alves diria que esse detalhe é o que menos importa, pois é muito melhor morrer com a barriga cheia de morangos do que com vontade de comê-los! O prazer de degustar o morango deve ser superior ao medo de cair no precipício. Deve. Mas nem sempre é assim. Conheço muita gente que ficaria aguando de vontade de comer o morango, mas não se arriscaria a esticar o braço para pegá-lo.

São pessoas prudentes demais, sensatas demais e ousadas de menos. E essa talvez seja a grande diferença a separar uma multidão de  pessoas comuns de outras poucas que se permitem ser seduzidas pelo cheiro, pela cor, pelo sabor dos morangos que surgem em seus caminhos, mesmo correndo o risco de caírem no abismo.

O morango é fruta bonita, feita pra degustar e admirar.

Primeiro foi o cheiro...
 algo assim feito almíscar rara
substância aromática sedutora
efeito de uma química bem combinada

Cenário projetado com o vermelho
escarlate e carmesin causando efeitos fulgentes
num ambiente intencionalmente tentador
aquecido pela temperatura desejada

Gosto sem desgosto
Sabor que aguça o paladar
Vontade de comer até saciar
Os morangos que nascem por aí
sem ninguém plantar.


3 comentários:

  1. Olá Mayre, excelente texto esse postado aqui. Esse poema é seu? Muito bom também. Um grande abraço e continue sempre assim!

    Laerte Lopes
    www.elitegeek.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, Laerte! Obrigada! Sim, o poema é de minha autoria, inspirado no texto sobre os morangos, de Rubem Alves.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Mayre,

    Gostei dessa reflexão. Acho que me enquadro (ou procuro me enquadrar) nesse grupo de pessoas que se arriscam em busca dos sonhos, das vontades... Sem sombra de dúvidas: são essas as pessoas que fazem a diferença. Lindo também o seu poema. Adorei seu cantinho!

    Obrigada pelo carinho com o meu blog. Seja sempre bem vinda ao Bate-Coração!

    Um beijo.

    ResponderExcluir