segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Involução

Nasceu, cresceu, viveu
mas não se conheceu
Não teve tempo de olhar para dentro
A vida lá fora fascinava
e tão fácil se tornava
a partir das aparências
abrir parênteses, não apenas
na vida de parentes
mas de todos aqueles
 a quem (des)conhecia
Graduou e se especializou
em produzir manuais de instruções
contendo regras de bem viver
Distribuía-os religiosamente
mesmo sentindo o escárnio dos vitimados
Essa forma torta e invasiva de existir
a preservava de uma colisão
com seus insetos interiores que,
ao serem ignorados, cresciam e se multiplicavam
anulando as possibilidades de libertação
Quando finalmente olhou e não se viu
fez-se de detetive particular
procurou pelos quatro cantos
seguiu pistas, adentrou em labirintos
e cada vez mais perdida
nunca mais se encontrou.



video



2 comentários:

  1. Muito bom seu poema Mayre, muito interessante! Pena que o áudio não está mais disponível :(


    Laerte Lopes
    www.meninadabahia.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Laerte!!
      Obrigada, querido!
      Mas o áudio tá disponível, sim. Clica lá e ouve!rs
      Abraço!

      Excluir