segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Vagas ilimitadas


Precisa-se de gente
que preencha as vagas
dos vazios permanentes
Traga seu currículo oculto
se habilite, mostre habilidades
inexistentes no mercado.

É grande a escassez
de bens duráveis,
a falência está anunciada
Impaciência, o tempo está esgotado.
É preciso chegar primeiro, 
mesmo não lucrando nada.

Arrogância, esconde teu desvalor
cede espaço pra humildade
dribla teu embaraço diante do inusitado
Solidariedade pela isenção de impostos 
assim é fácil ajudar o próximo
tão distante da afetividade.

Dê-me sua mão, confia
mas não te espantes
se te puxar pro penhasco...
Amizade desaba, frágil como a taça,
um brinde ao insucesso e... 
TAC, ela se despedaça.

Ninguém precisa de ninguém, todos se bastam
Egocentrismo impõe passagem
Cães e gatos, em constante descompasso
Trégua, um instante de paz... Seria pedir demais?
Ah, deixe-me ver seu currículo... Inabilitado.
Próximo!

2 comentários:

  1. Deixou-lhe o meu currículo em suas mãos.
    Deixou preciosa informação:
    a de que fiz muito pouco,
    a de que sou homem fraco e perdido.
    Não procuro emprego, procuro abrigo.

    Procuro comigo meu rumo no mundo,
    pra viver quem serei,
    se serei depois de agora.
    E não sei nem quero
    Quero viver o meu ser,
    sendo, seio, peito, mama.

    Fase oral.
    Não. Não jogo pedra na geni tália.
    doi bastante essa batalha.
    meu prazer não basta.
    Seu prazer me abasta.
    Joselito M. de Jesus

    ResponderExcluir