segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Fim...


Da semana, dos dias, das horas, dos amores, das dores...
Pra tudo há o fim...
Da espera da moça na janela. Coitada dela!
Fim da distração, do prazer, por mais intenso que possa parecer.
Fim da lágrima que seca, antes do lenço chegar a ela...
Fim dos sorrisos contagiantes, dos olhos brilhantes
feito pedras preciosas.
Fim da prece, da pressa, da posse, da possibilidade
na melhor idade.
Fim do abraço forte como aço, apertado feito laço,
mas nem tanto que não se desfaça.
Fim do desejo de proibir o proibir...
Tudo deixa de existir!
Fim da ânsia, da ansiedade, da falta, da aflição, do afeto,
da felicidade...
Fim do sonho, da beleza que se põe à mesa pra apreciar.
Fim da bela música, seja pra ouvir, deleitar ou dançar...
Fim da expectativa, do por vir, do que iria se formar.
Fim da poesia, da alegria em demasia.
Fim de papo, de linha, da história, do caminhar...
Fim de mim, de você, de nós!


Um comentário:

  1. Fim de linha: Acorda! levanta! chegou!
    O quê? Onde estou? Aqui, no fim.
    No fim? E agora? Pronde vou?
    Ah. Eu não sei.
    Mas caminho é que não falta.
    Você pode voltar e descer na estação.
    Ou tem uma pousada pra dormir.
    Quem sabe amanhã não tenha fim?
    Quem sabe estar perdida
    é um jeito de sair?
    Quem sabe não te encontro
    num outro ponto, por aí?

    ResponderExcluir